1/5

O Plano aseia-se no princípio básico do DOT - Desenvolvimento Orientado pelo Transporte. A estratégia central está no planejamento “casado” do desenvolvimento urbano do território (centralidades urbanas) e do desenvolvimento das redes de mobilidade - redes de transporte coletivo e modos de mobilidade.

 

As redes de transporte coletivo foram cuidadosamente planejadas para sua emergência gradativa e planejada ao longos das próximas quatro décadas pela equipe de consultores: elas se iniciam com os diversos projetos atualmente existentes nas diversas esferas da gestão pública, municipais e, principalmente, do Estado (sistemas de BRT, de VLT, Trem Regional) e a possibilidade de implantação futura de redes sobre trilhos de média e pequena capacidade, como se tem em cidades e regiões de topografia acentuada (Porto, Lisboa: os “trams” ou “bondes modernos”) que se viabilizam com a chegada gradativa de maiores populações planejadas (centralidades multifuncionais).

 

Ao propor que a região receba um planejamento sustentável e ordenado ao longo das próximas quatro décadas, o Plano utiliza-se do instrumento das centralidades multifuncionais de densidades qualificadas que se desenvolvem gradativamente com o passar dos anos através do instrumentodo do transecto urbano (gradiente de urbanização). As centralidades potencialmente proporcionam maior qualidade de vida urbana na medida que permite aos cidadãos se deslocar menos nas suas atividades cotidianas típicas. Para tanto, é necessário que se propicie densidades médias ou superiores (maior que 100 hab/ha) ,sem a qual não se viabilizam tais dinâmicas urbanas. 

 

Para que o plano encontre possibilidade de implantação efetiva, os planos diretores das cidades envolvidas devem possibilitar, através de suas normativas de uso e ocupação do solo - macrozoneamento, zoneamento e normas complementares - tais estratégias. Como estudo técnico independente que pode também ajudar e subsidiar a discussão pública e institucional na Revisão do Plano Diretor de Santana de Parnaíba, cabe observar que infelizmente a atual proposta normativa apresentada pela municipalidade de uso e ocupação do solo (imagens ao lado) não contempla as possibilidades abertas por este plano na medida em que restringe o uso do solo e impede o adequado desenvolvimento das centralidades multifuncionais aqui propostas. As propostas de macrozoneamento e zoneamento propostos na revisão do PD inviabilizam a implementação das centralidades por conta de usos não permitidos no macrozoneamento e/ou por não admitir usos mistos (diversificados) e/ou por impedir densidades médias ou superiores e ainda, por colocar alguns territórios em AIM - Áreas de Intervenção Municipal -, cuja normativa de uso e ocupação fica para futura definição específica.

 

> Desenvolvimento sustentável e planejado ao longo do tempo impulsiona o desenvolvimento econômico local e alavanca recursos para gestão pública

 

> Um plano integrado para a Região impulsiona sinergias e oportunidades para os dois municípios - Barueri e Santana de Parnaíba - e o bairro planejado, Alphaville-Tamboré

 

> São as tendências contemporâneas mais qualificadas em desenvolvimento urbano, sendo adotadas nos Planos Diretores mais avançados e na concepção de comunidades planejadas.

 

FICHA TÉCNICFICHA TÉCNICAA

AAututoror::

CCarlos Larlos Leiteitee, Urbanista, Urbanista

CoCoorordenaçdenaçãoão::

FFabiana Stuchi, Aabiana Stuchi, Arrquitquiteetata

Desenvsenvolvimento:

Arquiteto Danilo Bocchini, Arquiteto Jaime Vega, Arquiteta Mariana Guerrera, Arquiteta Bruna Gripri.

Daniela Mello, Estagiária

Thayse Portugal, Arquiteta

Consultor de Mobilidade:

Luis Fernando Di Pierro, 

Engenheiro de Transportes

Apoio e Revisão:

Juliana Marques, Arquiteta, PDI, AIAT Marcos Mellão, SPM, AIAT

Mauro Dottori, MPD, AIAT

Pedro Cesarino, Jornalista, Archote, AIAT

> Data: 2015

Stuchi & Leite Projetos & Consultoria I Arquitetura e Interiores I Desenvolvimento Urbano: Inteligência Territorial, Planos Urbanos Estratégicos, Estruturação e Modelagem Urbana, Masterplans